Tempo de leitura: 4 minutos. 

A última etapa da gestão do risco político e regulatório (antes da atuação, de fato) é medir. Essa etapa informa se a gestão, realizada nas etapas precedentes, está sendo efetiva e quais resultados estão sendo obtidos. Além de fornecer métricas para a atuação em Relações Governamentais, que informam à áreas internas da sua organização (membros da equipe e outras áreas da empresa, diretoria, por exemplo) e interessados externos (atores interessados, associados e clientes) como o trabalho está sendo realizado.

Mas a medição não se resume à isso. Ela também informa sobre o impacto de um risco/oportunidade específico, pois permite a avaliação interseccional dos dados acompanhados entre os temas, tendo uma visão macro dos interesses da sua organização.

Obter métricas e entender a organização dos dados acompanhados é fundamental para uma boa estratégia de atuação, além disso, possibilitar um maior tempo e recursos para a atuação é o objetivo final de todas etapas do framework Sigalei de gestão do risco político e regulatório.

Como medir?

Insights dos temas

Dentro de cada tema, é possível acompanhar a divisão dos itens, a partir de gráficos que fornecem ao usuário informações sobre as características dos itens que ele acompanha em sua organização. Ou seja, identificar em cada tema central de monitoramento realizado pela sua organização para tomar melhor estratégias. Identificar as casa legislativas esses dados pertencem, o status, parlamentares, divisão pelas tags e a relação de impacto e posição como forma de compreender os riscos e oportunidades para seu negócio. Com isso é possível compreender e realizar inferências sobre o monitoramento e análise que estão sendo realizados da sua atividade.

Inteligência: impacto dos temas

Nessa tela, é possível entender como os temas da sua organização estão relacionados no processo de gestão do risco político e regulatório. E qual o peso e o impacto de cada setor ou cliente, que está sintetizado em cada tema, para sua organização. Essa visualização gráfica está baseada na divisão por tema, por isso, possui flexibilidade para a divisão. Por isso, consegue se adaptar à necessidade da empresa, associação, organização ou consultoria.

Há duas formas de organizar o diagrama:

  • Por tamanho do tema:

Na visualização padrão, o tamanho dos temas no diagrama e sua porcentagem considera o número de dados acompanhados em cada um. É uma análise quantitativa, que depende exclusivamente do ato de acompanhar uma proposição, discurso e atos executivos.

  • Por impacto do tema:

Ao adicionar o impacto ao cálculo, os temas são redimensionados conforme a classificação de impacto que o usuário realizou nos itens que acompanhou. Isso possibilita que haja uma visualização efetiva do impacto que cada tema tem para a organização, respondendo a questão: como um risco pode vir a me afetar?

Por isso, é fundamental realizar a classificação de impacto na proposição acompanhada. Caso não seja feito, essa visualização não terá a dimensão correta, porque para esse cálculo, só serão consideradas as proposições que tem classificação de impacto.

Na imagem é possível entender as diferentes proporções dos gráficos:

Além de informar sobre o peso de cada tema, a tela de inteligência possibilita visualizar a relação entre os temas, no nível dos dados acompanhados. Porque ele informa quais proposições e atos acompanhados em mais de um tema, na intersecção do diagrama.

Com isso, é possível navegar entre os dados que estão presentes em mais de um tema. Para isso basta clicar na lista que aparece abaixo do diagrama.

#DICA SIGALEI

Monitorar, Analisar, Compartilhar e Medir são as fases essenciais para o funcionamento da sua Gestão de Risco Politico e Regulatório na Sigalei.

Criar temas, criar radares, seguir um item e classificá-los (impacto e posição) são passos práticos essenciais para o framework Sigalei.

Tem dúvidas ou sugestões?

Entre em contato pelo chat, por telefone ou no email [email protected].

Encontrou sua resposta?